Mamografia Digital

Mamografia é um exame rápido para a detecção precoce do câncer de mama.  É um exame não invasivo que captura imagens da mama feminina com o mamógrafo. Esse é um aparelho que usa a mesma radiação do aparelho de raio-x tradicional, mas os feixes são projetados levando em conta a anatomia das mamas.  Apesar de ser um excelente método para indicar áreas suspeitas de câncer de mama, normalmente irá necessitar de exames complementares para o diagnóstico final. O laudo será interpretado em uma escala chamada BI-RADS para interpretar os achados nas imagens. São sete categorias, que vão de normal a tumor maligno ou benigno. O laudo pode vir ainda como inconclusivo, quando é preciso realizar novas investigações.

Com o compromisso de inovação tecnológica permanente, com responsabilidade e credibilidade, adotando métodos diagnósticos que possuam comprovação de eficácia baseada em estudos multicêntricos e de relevância científica, a CRMédica oferece mais um aliado na investigação mamária por imagem, a mamografia digital.

A mamografia digital corresponde a uma radiografia da mama na qual o filme é substituído por detectores que convertem raios x em sinais elétricos. Estes sinais são usados para formar as imagens da mama, que são analisadas em uma tela de computador de alta definição ou em filmes especiais.

Embora a tomada de imagens seja realizada de forma semelhante à da mamografia analógica, o sistema digital, ao contrário do ecran-filme, permite a manipulação fina das dimensões e do contraste da imagem. Como resultado, pequenas diferenças entre o tecido normal e o alterado podem ser notadas, mesmo nas mamas densas. 

A mamografia digital demonstrou real benefício no rastreamento em mulheres incluídas nas seguintes categorias:
1. Abaixo dos 50 anos, independente da densidade mamária;
2. Em qualquer idade, desde que apresente mamas heterogeneamente densas ou muito densas (padrões 3 e 4);
3. Pré ou perimenopausa de qualquer idade (último ciclo menstrual dentro do período de 12 meses entre as mamografias).

Aproximadamente 65% das mulheres rastreadas no estudo apresentavam uma ou mais das características referidas acima, reforçando as vantagens da mamografia digital.

Existem muitas controvérsias a partir de qual idade e com qual periodicidade o exame deverá ser realizado.  Diante dessas controvérsias, o ideal é conversar com um especialista que a partir da sua história familiar e de outras características pessoais irá traçar a estratégia de rastreamento mais eficaz para você.

O exame poderá ser realizado em homens e mulheres.

Saiba mais sobre o exame:

Como é realizado o exame:

O exame é realizado na clínica. A paciente posiciona-se em pé, próximo ao equipamento que pressionará as mamas, a fim de espalhar ao máximo o tecido mamário e reduzir as doses de radiações necessárias para se obter as imagens.

A paciente precisará retirar a roupa da cintura para cima e colocar um avental apropriado, além de ter que remover qualquer acessório que possa se sobrepor à mama e interferir na imagem radiográfica. Para fazer o exame, você ficará em pé e fará pelo menos duas imagens de uma mama, sendo uma de cada vez. A mama será comprimida firmemente entre duas placas planas a fim de espalhar o tecido mamário e reduzir a dose de radiação necessária para obtenção de uma imagem adequada. Todo o tecido mamário e a axila devem ser incluídos na análise. Durante o procedimento, a paciente deve permanecer imóvel, inclusive segurando a respiração por alguns segundos, para se obter uma boa imagem.

A compressão causada pela mamografia pode causar certo desconforto à mulher, mas não deve machucá-la.

Pacientes que têm implantes mamários farão um maior número de incidências mamográficas, geralmente quatro em cada mama (ao invés de duas como na paciente sem implante). Duas delas devem incluir o tecido mamário e o implante, mas saiba que a mama será comprimida gentilmente para não causar danos. As outras incidências servem para analisar melhor o tecido mamário. Nestas, o implante será descolado em direção ao tórax, de forma a pegar o máximo de tecido mamário somente para ser comprimido.

Por que a mama é comprimida?

A compressão das mamas é necessária para que todo o tecido mamário possa ser visualizado de maneira mais nítida e até os mínimos detalhes, a fim de encontrar pequenas anormalidades e permitir o uso de uma dose menor de raios-X. Além disso, ao comprimi-las, minimiza-se o movimento das mamas durante o exame, diminuindo a chance de obter uma imagem borrada e de má qualidade.

Duração do exame:

Apesar de desconfortável, cada incidência mamográfica é bem rápida, durando apenas alguns segundos. Quando concluída, o tecnólogo solicitará ao paciente para que aguarde alguns minutos até confirmar se todas as imagens deram certo. O processo ao todo leva em torno de 15 a 20 minutos.

Mamografia dói?

Dependendo da sensibilidade que cada mulher possui, o processo pode ser mais desconfortável e dolorido. O ideal é se programar para fazer a mamografia não tão perto do período da menstruação, porque assim o nível de sensibilidade dos seios será menor.

Comunique ao tecnólogo se houver dor conforme a compressão for aumentando. Ele poderá aliviar um pouco a pressão e/ou a velocidade de compressão, mas lembre-se de que quanto maior for a compressão, melhores são os resultados.

Indicações:

A principal indicação da mamografia é para o rastreamento do câncer de mama. A idade de início é controversa, porém a FEBRASGO indica que a mamografia deve começar a ser feita a partir dos 40 anos, anualmente, para mulheres da população geral. Porém, para aquelas que possuem casos de câncer de mama na família, em parentes de primeiro grau (mãe, irmã e/ou filha), o risco de câncer de mama pode ser maior que o da população geral. Nestes casos, a mamografia pode começar a ser feita 10 anos antes do caso mais precoce entre as parentes que tiveram a doença. Por exemplo: se uma mulher descobriu um câncer de mama aos 40 anos, sua filha deve começar a fazer mamografias anualmente aos 30 anos. A mamografia, porém, não é recomendada antes dos 25 anos porque a mama é mais susceptível à radiação nessa faixa etária. Mesmo mulheres que tiveram casos familiares muito cedo (aos 30 anos, por exemplo), devem esperar até os 25 para fazer a primeira mamografia. Antes disso, a indicação nesses casos são ultrassonografias das mamas.

Também podemos utilizar a mamografia para fins de diagnóstico, como na avaliação de alguma queixa clínica (dor, presença de nódulo palpável ou alterações na aparência da mama)

Na avaliação de alteração encontrada em outros exames de diagnóstico por imagem, como a ultrassonografia.

 A mamografia pode ser usada também na avaliação da mama masculina (no aumento do volume denominado ginecomastia ou presença de nódulo palpável).  Os homens também podem ter câncer de mama (em cada 100 mulheres com câncer 1 homem poderá ter a doença), neste caso a mamografia auxilia no diagnóstico.

Contraindicações:

O exame é contra indicado abaixo dos 25 anos de idade.

Evite agendar logo antes ou depois da menstruação.

Deve ser comunicada ao médico qualquer limitação da paciente, como rigidez muscular, dificuldade para levantar os braços e outros problemas que poderão dificultar a posição correta no aparelho. Uma vez que o posicionamento e conforto da paciente são fundamentais para o sucesso do exame, qualquer restrição deve ser comunicada.

Gravidez ou suspeita de gravidez (é importante saber a data da última menstruação), pois a radiação pode afetar a formação do bebê. Caso haja indicação clínica para realização do exame, este deverá ser feito utilizando um protetor abdominal.

Preparo para o exame:

  • Evitar passar cremes, desodorantes ou perfumes antes de fazer o exame, pois estes podem prejudicar a captação das imagens.
  • Caso já tenha feito este exame ou algum outro na região das mamas, levar os resultados. A comparação com exames anteriores pode facilitar o descobrimento de algum corpo estranho na região.
  • Evitar agendar o exame logo antes ou logo após a menstruação, pois nesse período há maior densidade de tecido glandular das mamas, além de estarem mais sensíveis, o que dificulta o teste e o torna mais desconfortável.
  • Vista duas peças de roupa separadas. Normalmente as mulheres devem tirar toda a parte superior da vestimenta. Então, o melhor é evitar peças únicas, como vestidos, ou roupas muito difíceis de retirar, contornando desconfortos dessa natureza. O ideal é usar uma camisa abotoada no dia do exame, pois esta pode ser facilmente retirada e vestida.
  • Notificar o médico sobre limitações. Quanto menos desconfortável for o exame, maior qualidade terão as imagens. Portanto, durante a mamografia, tente deixar o corpo o mais relaxado possível.
  • Notificar o profissional que fará o teste sobre a presença de próteses de silicone.

Limitações do exame:

A interpretação do exame pode ser difícil e o resultado nem sempre é preciso, pois a resolução da imagem pode ser comprometida facilmente com a presença de inúmeros fatores, como pó, suor ou qualquer outro fluido na região das mamas. Além disso, características da paciente como idade e densidade das mamas podem interferir na eficácia do exame.

Os implantes de silicone, por exemplo, tornam a visualização precária. Isso ocorre por eles não serem transparentes aos exames de raio-X, dificultando a leitura dos resultados, principalmente se forem colocados por cima do músculo e não por baixo, como é o caso da maioria das mulheres.

Existem também tipos de câncer mais agressivos que não são detectáveis por meio da mamografia, gerando o falso-negativo. Em contrapartida, o falso-positivo pode surgir quando o resultado é anormal e não há presença de câncer.

Importante:

  1. Todo exame deverá ser avaliado pelo médico solicitante ou por médico especialista da área.
  2. O exame de diagnóstico por imagem é um Serviço Auxiliar de Diagnóstico e Tratamento (SADT), sendo a sua conclusão apenas auxiliar no diagnóstico definitivo em estudo.
  3. Não realize exames sem a solicitação de um médico, assim você irá evitar desperdício de tempo, dinheiro e desconforto físico desnecessário.
  4. Realize seus exames em clinicas de credibilidade comprovada.
  5. Exame com exposição do corpo, usar ou trazer roupas adequadas que facilitarão a exposição da área avaliada.
  6. Chegar com 30 minutos de antecedência.
  7. Trazer documento com foto, cartão do convênio, pedido médico e guia autorizada pelo convênio.
  8. Pacientes maiores que 65 anos deverão vir acompanhados de um responsável legal, que deverá permanecer no local até o final do exame.
  9. Trazer exames anteriores da região a ser estudada que descrevem a alteração a ser marcada, incluindo as imagens (se houver), os quais são muito importantes para a correlação.
  10. Em caso de dúvidas, sinta-se à vontade para falar com um de nossos colaboradores. Estamos à sua disposição para qualquer esclarecimento.
Fechar Menu
WhatsApp WhatsApp